May 06

Métodos Cognitivos e Comportamentais no Tratamento Da Perturbação Obsessivo-Compulsiva

EDIÇÃO Nº57 | ABRIL - MAIO - JUNHO | 2022

RESUMO

\"Com prevalência estimada de 1-3% em idade pediátrica, a perturbação obsessivo-compulsiva é uma doença neuropsiquiátrica caracterizada por obsessões e compulsões recorrentes e que condiciona prejuízo funcional da criança e família. A crescente investigação nesta área tem reforçado a efetividade da terapia cognitivo-comportamental como tratamento privilegiado na infância e adolescência. Diante do exposto, este estudo tem como objetivo apresentar generalidades sobre a perturbação obsessivo-compulsiva com especial destaque para o papel dos modelos e métodos cognitivo-comportamentais na sua abordagem terapéutica. Para tal, foi realizada revisão narrativa da literatura através de consulta de bibliografia pertinente ao tema. A conceptualização cognitivo-comportamental da doença serve de base ao tratamento psicoterapêutico com eficácia validada e que permite remissão sintomatológica, melhoria funcional e prevenção de cronicidade da doença na idade adulta.\"

 

Métodos Cognitivos e Comportamentais no Tratamento da Pertubação Obsessivo-Compulsiva em Idade Pediátrica

De Raquel campos, Ana Catarina Serrano, Cláudia Gomes Cano, Tânia Cavaco, Ana Sofia Milheiro

May 06

O Humor como Antídoto contra o Medo

EDIÇÃO Nº57 | ABRIL - MAIO - JUNHO | 2022

BREVE EXCERTO

“Numa era particularmente desafiante, capaz de fazer emergir uma latente angústia existencial, podemos encontrar no humor um recurso importante para fintar o medo que temos da doença, do sofrimento e da morte.

O medo associado à finitude, relaciona-se intimamente com a dificuldade em lidar com a incerteza e com o desconhecido. Aceitar que estas são angústias inerentes à condição humana, facilita o seu reconhecimento e a sua integração, abrindo-se a possibilidade para caminhar de mãos dadas com o medo, sem que ele nos paralise.

Uma atitude de humor perante a vida implica a capacidade para reavaliar e ressignificar uma situação à partida sentida como demasiado exigente, retirando-lhe o cariz ameaçador e introduzindo uma maior leveza do ponto de vista cognitivo e emocional. Esta atitude criativa do humor, permite ganhar distância das situações geradoras de stress, facilitando a construção de novas perspetivas e soluções. Nas sábias palavras de Chaplin: \"Através do humor vemos no que parece racional, o irracional; no que parece importante, o insignificante. Ele também desperta o nosso sentido de sobrevivência e preserva a nossa saúde mental.\"

 

O Humor como Antídoto contra o Medo

De Joana Simão Valério

May 06

O Nunca Mais não é o Lugar

EDIÇÃO Nº57 | ABRIL - MAIO - JUNHO | 2022

BREVE EXCERTO

“Ser feliz não é um acaso do destino. Tal é uma conquista existencial. Trabalhar as perdas e as frustrações é superar as dores da existência e usá-las para amadurecermos e não para nos destruirmos. 

Talvez seja um repensar as nossas dificuldades… já pensou? Mesmo que não sejamos grandes artesãos, podemos esculpir a nossa personalidade, pelo menos enquanto aqui estivermos e, bem assim, se assim o quisermos.

E o nunca mais não existe… Tampouco é um lugar.

Quem não quer amizades verdadeiras e maduras? Pessoas que nos acrescentem e de certa forma nos afastem as lonjuras?!

O mundo porém traz-nos pessoas que podemos considerar “pequenas”, superficiais, ou falsas, ou de sorrisos forçados…

E querem-se é lágrimas sinceras e abraços apertados!

Recomeçar. Começar de novo. Começar. O novo! 

Esta é a atitude que demarca um tempo de inquietude.“

 

O nunca mais não é lugar

De Sara Ferreira

January 26

A Depressão

EDIÇÃO Nº56 | JANEIRO - FEVEREIRO - MARÇO | 2022

BREVE EXCERTO

“A depressão é a inexistência ou perda do normal (e natural) entusiasmo pela vida, diga-se, pela vida de relação com todas as coisas e todos os seres, especialmente os congéneres. Pode ser permanente, constituindo um traço de carácter – personalidade depressiva –, ou episódica, aparecendo como sintoma de descompensação do humor – estado depressivo. Quanto à sua intensidade, vai desde o sentimento de tédio ou aborrecimento até à total ausência de esperança e desejo de morte. Para o deprimido, a vida não é fonte de alegria e de prazer; pelo contrário, é um sofrimento, uma dor. O depressivo não vive, sobrevive.

De causalidade multifactorial, na sua génese encontramos: uma vulnerabilidade hereditária específica poligenética; condicionantes epigenéticos; factores do meio físico-químico e do ecossistema biológico; processo educativo e circunstâncias sócio-profissionais; valores, ideais e influências da cultura; muito particularmente, a distorção/perversão das relações afectivas. De facto, a depressão é, essencialmente, a reacção bio-psicológica à carência ou perda de amor e apreço/afecto e reconhecimento dos parceiros privilegiados de relação. Assim, o seu sintoma patognomónico é a baixa auto-estima; e o sinal mais evidente, a diminuição de iniciativa e inibição da acção. Donde, se pode afirmar não haver depressão sem sentimento de desvalia, desânimo e abatimento das funções psíquicas e somáticas.“ 

 

A Depressão 

De António Coimbra de Matos

Este site usa cookies, para guardar informação de forma segura no seu computador.

Estes cookies destinam-se a optimizar a sua experiência de navegação neste site.

aceito cookies

Saiba mais acerca dos cookies