October 22

Reflexões Sobre Neuropsicologia de Intervenção

EDIÇÃO Nº9 | OUTUBRO - NOVEMBRO | 2012

BREVE EXCERTO

”A Neuropsicologia é uma área, comum às Neurociências e à Psicologia, que se dedica à correlação entre as, várias, Dinâmicas Comportamentais do Ser Humano e a Actividade das Estruturas Encefálicas que as sustentam, de forma directa ou indirecta, em situação normal ou patológica. Conhecida, no que respeita aos seus pressupostos e objectivos, desde a Antiguidade (Grécia, Egipto, Suméria, Impérios Astectas e Inca) torna-se conhecida das Classes Científicas e Clínicas nos meados do Século XIX, pela mão do cirurgião francês Pierre Paul Broca quando este localiza a área  de articulação da linguagem na região frontal do hemisfério cerebral esquerdo. Não nos alongamos muito mais no que respeita à história da Neuropsicologia dado que, embora de grande interesse e fascínio, não é o tema central deste texto. No entanto não queremos deixar de referir dois pontos. O primeiro diz respeito ao, principal, responsável pela elaboração destas linhas dado que foi o Pai da vertente clínica da Neuropsicologia. Trata-se de Alexander Luria (1902-1977) um neuropsicólogo Russo que, após a 2ª Guerra Mundial, criou todo um sistema de estudo e acompanhamento de militares feridos durante o referido conflito tendo, a partir daí, estendido o diagnóstico e reabilitação de alterações mentais causadas por lesões encefálicas ao resto da população. Por outro lado, inspirou uma multiplicidade de neuro-psicólogos europeus e norte americanos que foram, progressivamente, criando e adaptando meios de despiste e Técnicas de Intervenção. O segundo reporta-se a Portugal. A nossa neuropsicologia, embora assente em raízes bem antigas e ligadas à Escola Psiquiátrica dos fins do Séc. XIX e primeiras décadas do Séc.  XX (Miguel Bombarda, Júlio de Matos, Barahona Fernandes….) e a uma neurologia que, na terceira década do Século transacto começava a dar os primeiros passos revelando, no entanto e desde o início, sinais de grande valor (Egas Moniz), instala-se como tal a partir da década de 70 com a criação de uma ver-tente de investigação (António Damásio, Castro-Caldas, José Ferro, Carlos Garcia, Jorge Teixeira Grosso e, posteriormente, Manuela Guerreiro). No entanto, só em 1983 é que se cria, no Hospital Júlio de Matos a primeira Unidade de Neuropsi-cologia (Manuel Domingos, Góis Horácio, Teresa Constantino) dedicada à assistência de pacientes com lesão do encéfalo. Esta Unidade deu, nos primeiros tempos, apoio aos pacientes do Centro de Neurocirurgia de Lisboa, tendo posteriormente passado a ser solicitada pelos vários serviços de neurologia e neurocirurgia de todo o país. Depois, e parando por aqui, a história da Neuro-psicologia Portuguesa tem sido levada por ventos favoráveis, espalhando-se por vários Hospitais e Centros Clínicos de várias cidades do País (incluído as Regiões Autónomas). ”

 Reflexões Sobre Neuropsicologia de Intervenção

de Manuel Domingos

October 22

Repensar a Resistência à Mudança

EDIÇÃO Nº8 | AGOSTO - SETEMBRO | 2012

BREVE EXCERTO

“A importância da análise dos comportamentos de resistência à mudança foi identificada ainda na primeira metade do século passado, quando Lester Coch e John French (1948)  escreveram o artigo seminal Overcoming resistance to change. Este trabalho procurava dar resposta aos pro-blemas enfrentados na linha de produção da Harwood Manufacturing Corporation (fabricante de pijamas) sempre que havia tentativas de mudar os métodos de trabalho. Os autores argumentavam que normalmente o processo de reaprendizagem de novas competências é mais moroso do que a aprendizagem inicial, o que levava a que muitas vezes os colaboradores se sentissem frustrados, com reduzidas aspirações e com receio de nunca mais conseguirem atingir os níveis de desempenho anteriores à mudança. Resumidamente, a resistência à mudança parecia ser o resultado da combinação entre uma reacção individual à frustração e um fenómeno grupal que exacerbava essa mesma reacção. Chegaram igualmente à conclusão de que a forma mais eficaz de reduzir essa resistência era o aumento da participação dos colaboradores na tomada de decisão sobre a mudança a operar.

Desde a publicação deste artigo que três grandes correntes têm sido identificadas na literatura sobre resistência à mudança: a resistência enquanto carac-terística psicológica estável do alvo da mudança; a resistência enquanto um processo de atribuição de significado por parte dos agentes de mudança; e a resistência enquanto elemento cultural.“

 Repensar a Resistência  à Mudança

de Pedro Neves

October 22

De que “política” será a psicologia do homem?

EDIÇÃO Nº8 | AGOSTO - SETEMBRO | 2012

BREVES EXCERTOS

“Perante o desafio que me foi posto, de um novo paradigma que está a  surgir, cuja tendência levará ao fim da Psicologia (tal como a conhecemos), com alguma ajuda da nanotecnologia, lembrei-me de uma situação que presenciei em 2007.“

“...Bairrão Ruivo estava deveras entusiasmado com o Mestrado que estava a fazer em Neuropsicologia. E disse-me (recordo-me como se hoje fosse): a Psicologia acabou. O futuro é a Neuropsicologia...“

“...já outro grande mestre, Orlindo Gouveia Pereira se referia ao impasse da Psicologia Social, que nada de novo tinha, entretanto trazido...“

“...Que seria do mito se Adão e Eva disputassem uma laranja em vez de uma maçã? Ou uma nêspera? Ou se a repartissem em dois pedaços? Teriam saído do “paraíso”? Ficaria o “pecado original” anulado? E se Caím não tivesse morto Abel? (Génesis, 4:1). Se tivessem colaborado um com o outro? Qual seria a estória inventada? Ou reinventada? Teríamos hoje homicidas? Seria a humanidade uma maravilha?...“

 De que “política”  será a psicologia do homem?

de Carlos Barracho

 

 

 

October 22

Bater na Almofada

EDIÇÃO Nº8 | AGOSTO - SETEMBRO | 2012

BREVES EXCERTOS

”Os comentadores a quem as televisões passaram a subcontratar o trabalho dos jornalistas dizem que as manifestações não servem para nada. Miguel Sousa Tavares disse que a manifestação queaconteceu durante a última greve geral, “não vai resolver nenhum dos problemas nem é alternativa.” o Avante disse o contrário, “é um facto incontestável que o êxito alcançado pelos trabalhadores não cabe nos esquemas de análise desses comentadores. Para eles, a situação ideal seria que as massas trabalhadores seguissem à risca as suas análises... ou seja, que desistissem de lutar”.”

”Ou pelo menos ninguém tem a razão toda porque ninguém falou do efeito mais poderoso e mais perigoso das manifestações. Ir a uma manifestação é como bater na almofada. 

A Inglaterra precisou de impor medidas difíceis e exigir muito dos seus cidadãos durante a Segunda Guerra Mundial. Nessa altura as pessoas reuniam-se em “clubes da rezinga.” Nesses sítios as pessoas queixavam-se, diziam mal da guerra, mal do governo, mal do país. Depois de deitar todas as suas frustrações cá para fora estavam prontos para continuar tudo o que o governo decidiu que era preciso para sair da crise causada pela guerra.”

 Bater na Almofada

de João Vieira da Cunha

Este site usa cookies, para guardar informação de forma segura no seu computador.

Estes cookies destinam-se a optimizar a sua experiência de navegação neste site.

aceito cookies

Saiba mais acerca dos cookies