October 24

Rumos da Psicoterapia

EDIÇÃO Nº23 | FEVEREIRO - MARÇO | 2015

BREVE RESUMO

“De acordo com a Ordem dos Psicólogos Portugueses, 23% dos portugueses tem um problema na sua saúde psicológica e que tende a estar ligado a depressão ou ansiedade. Independentemente dos motivos que contribuem para estes resultados preocupantes em território português optei por me tentar focar na solução. E é aí que entra a psicoterapia.

Houve tempos em que quem ia ao psicólogo era visto como “maluco” ou “perturbado”. Ainda assim, a perspectiva sobre a saúde mental tem evoluído e cada vez mais pessoas olham para o acompanhamento psicoterapêutico como um instrumento precioso. A ida ao um psicoterapeuta não tem de estar forçosamente ligada a uma “patologia”. Quantos e quantos pacientes procuram ajuda para optimizar recursos e para terem um dia-a-dia ainda mais pleno, quer na vida pessoal quer na profissional. Ainda que muito haja por fazer no acesso de todos a este serviço, torna-se prioritário que o clínico seja mais aberto à sociedade, à inovação, às outras áreas da ciência.“

 Rumos da Psicoterapia

de Luís Gonçalves

 

October 24

Narcisismo

EDIÇÃO Nº23 | FEVEREIRO - MARÇO | 2014

BREVE EXCERTO

“A frieza de caracter – muitas vezes sob a capa diáfana de bonomia e convivialidade – é um traço forte da personalidade narcísica; efectivamente, empatia e compaixão é binómio estranho ao narcísico – ama-se a si próprio, ponto final; complementarmente, odeia todos os outros (ou nem sequer os chega a odiar; emocionalmente, ignora-os por completo – não existem como objectos de investimento afectivo, são coisas, não-pessoas, e coisas sem valor nem significado, a indiferença face ao outro é radical).

Para o homem comum, social e político – que ama o outro e cuida do outro –, o narcísico é  (1) incompreensível, bizarro e estranho ou (2), quando reco-nhecível, abjecto; seja, não familiar, desconhecido, ou asqueroso e hediondo. Para o sábio e avisado, o narcísico – dada a sua maldade reconhecida – é perigoso. 

Siderada a emoção, o narcísico utiliza toda a sua energia no investimento pessoal; forte, belo e inteligente, sobrevalorizando em regra um dos atributos (campeão de boxe, o mais bem vestido, ou, nos nossos dias, o intelectual da praça – quando, como se diz, a única suposta evidência de tal é a farta cabeleira branca adornada pelo vazio de um pensamento estéril entretido a contar os carneiros do rebanho de factos). O “inteligente” (destacando um  só suposto atributo) – diz-se e diz aos outros – devora livros e bota discurso na ânsia de muito saber e colher admiração para sanar a ferida do amor não achado na primeira volta da vida (infância) e perdido na segunda (adolescência). Só que os ganhos são, por esta via, compensações e próteses – não recobram o ânimo nem aquecem o coração. A vicariância narcísica (não sou amado mas sou admirado) é uma triste substituição. Só virando o disco e tocando outra música – amar para vir a ser amado – é possível a reviravolta: a revolução do amor.“

 Narcisismo

de António Coimbra de Matos

October 24

A Doutrinação do Ser Económico: Princípios de Esquizofrenia existencial

EDIÇÃO Nº22 | DEZEMBRO - JANEIRO | 2014

BREVE EXCERTO

”As organizações são uma inovação fabulosa, fruto de dezenas de milhares de anos de evolução da espécie humana. A densificação das interacções (sociais e económicas) entre seres que viviam em ambientes físicos diferentes, com diferentes recursos à disposição, conduziu à explosão da comunicação e à emergência de eficiências pela divisão social do trabalho.  O principio da especialização daí resultante, bem como a reunião de massas de capital, promoveram o surgimento das “empresas” que consequentemente aprofundaram a especialização e a divisão crescente do trabalho. Uma relação de causalidade circular que se mantêm profícua. 

A comunicação humana foi-se aprofundando por razões e imperativos de sobrevivência de espécie. Do gesto passámos à verbalização, à narrativa, à escrita, à imprensa, ao computador, à internet. Mecanismos e processos que aceleraram a possibilidade de criação, de transmissão e de utilização do conhecimento. Entre fronteira físicas, transversalmente entre actividades e profissões e intergerações. Chegámos por fim a um mundo em que o símbolo se autonomiza do que representa e vivemos num mundo profundamente desmaterializado em termos económicos e sociais.” 

 A Doutrinação do Ser Económico: Princípios de Esquizofrenia existencial

de José Manuel Fonseca

October 24

Negociação e Comunicação Não-Verbal

EDIÇÃO Nº22 | DEZEMBRO - JANEIRO | 2014

BREVE EXCERTO

”A informação é uma componente critica de qualquer processo negocial. Imagine que seria capaz de descodificar o que o seu parceiro negocial está a pensar, a sentir e as suas reais intenções, para além das suas palavras. Ou então, que consegue identificar sinais de desconforto e preocupação relativamente a um qualquer item negocial. Imagine, ainda, que conseguiria perceber quando o seu parceiro negocial está a fazer bluff evitando assim ser vítima dessa manobra. Um estudo da renomada Wharton School, revela que 100% dos negociadores ocultaram um problema ou mentiram ativamente acerca do mesmo. Um outro estudo desenvolvido por Robert Feldman e os seus colegas, revelou que 60% das pessoas mentem, em média, 3 vezes, durante uma conversa de 10 minutos. Quando os negociadores se apropriarem do conhecimento que esta área do conhecimento lhes tem para oferecer, passarão a detetar incongruências na comunicação com maior eficácia e utilizarão essa informação como uma mais-valia para fechar mais e melhores negócios.“

 Negociação e Comunicação Não-Verbal

de António Sacavém

Este site usa cookies, para guardar informação de forma segura no seu computador.

Estes cookies destinam-se a optimizar a sua experiência de navegação neste site.

aceito cookies

Saiba mais acerca dos cookies