October 23

Síndrome de Boreout: Implicações para a Prática dos Psicólogos Organizacionais

EDIÇÃO Nº10 | DEZEMBRO - JANEIRO | 2012

 

RESUMO

Quase todos os trabalhadores do mundo, em algum momento, independentemente da natureza de seu trabalho, experimentaram episódios de tédio, falta de desafio, e falta de interesse (March & Simon, 1993; Rifkin, 2002). Um estudo realizado por Malachowski (2005) revelou que um terço de dez mil trabalhadores entrevistados reconheceu que o seu trabalho não impunha nenhum desafio e não se sentia motivado por ele. Os trabalhadores reconheciam que existiam horas do dia em que eles passavam o tempo a realizar tarefas que não tinham nada a ver com o trabalho, tais como, tarefas pessoais ou navegar na internet.

 

Síndrome de Boreout: Implicações para a Prática dos Psicólogos Organizacionais

de Liliana Faria e Lucinda Tavares

October 22

A Tragicomédia da “desocupação” do talento

EDIÇÃO Nº9 | OUTUBRO - NOVEMBRO | 2012

RESUMO

“A situação presente é por demais conhecida de todos, ninguém escapa a alguma medida, ou contexto por elas gerado, na nossa corrente  aflição. Das causas cuidaram, abnegadamente,  muitos. Dificilmente algum de nós as ignora. Podemos divergir quanto à autoria da peça mas dificilmente quanto ao argumento que foi exemplarmente executado em palco. “

 

 A Tragicomédia da “desocupação” do talento

de José Manuel Fonseca

October 22

Gestão Estratégica de RH (GERH): Socializar para Inovar

EDIÇÃO Nº9 | OUTUBRO - NOVEMBRO | 2012

RESUMO

”Indiscutivelmente, os RH assumem uma função estratégica dentro das organizações. A sociedade do conhecimento veio acentuar, de forma galopante, o seu papel. Quanto maior for a orientação para a inovação, mais crítica será esta área organizacional. Neste artigo, discute-se a importância da GERH para as organizações, que contemplam a inovação na sua missão estratégica, incidindo-se em particular nos processos de socialização. Por fim, apresentam-se casos portugueses, que apontam os reflexos do sucesso da socialização, em organizações inovadoras de Base-Tecnológica.”

 

Gestão Estratégica de RH (GERH): Socializar para Inovar

de Margarida Piteira 

October 22

Psicoterapia Psicanalítica Saber Mais Através de um Caso Clínico

EDIÇÃO Nº9 | OUTUBRO - NOVEMBRO | 2012

BREVE EXCERTO

”Poderemos sempre recorrer ao velho ditado: “cada macaco no seu galho”, mas facto é que estamos todos na mesma árvore, falamos de forma semelhante e queremos todos alcançar o mesmo: a compreensão  e o apaziguamento/ cura de alguém que sofre. A psicoterapia psicanalítica exige uma formação longa e a mesma não se prende apenas com uma licenciatura ou formação nos vários Institutos que existem. A preparação do terapeuta enriquece muito com a terapia do próprio, com a participação em grupos de supervisão ou supervisão individual, contacto com outros colegas na discussão de casos. É uma formação intensa, mas necessária para quem deseja trabalhar em relação com um outro.

Para uma maior proximidade e compre- ensão da psicoterapia psicanalítica, irei abordar de forma resumida alguns pontos fulcrais de um caso desmistificando assim o trabalho em relação e na relação terapêutica que se foi criando e recriando com o paciente em causa (juntamente com a psicanálise mais clássica, a psicoterapia psicanalítica trabalha uma relação, campo na qual ambas, e a meu ver, continuam a não ter rivais).

Contextualização Clínica 

Chamemos-lhe M, um rapaz de 23 anos, com aparência de adolescente de 16, ar franzino, alto, magro, pálido, óculos. Poderia ser o Adrian Mole de Sue Townsend, imortalizado na mítica série teen britânica dos anos 80: “The growing pains of Adrian Mole”, mas M nada disso era. Ao contrário de Adrian, que nos ía falando das suas histórias emocionantes, amores e desamores, preocupações, receios, infortunios, tristezas, triunfos com os vários personagens que o reodeavam, M falava das dores que não cresceram, que teimavam em não crescer, do seu fechamento, isolamento, da sua dificuldade em se “ser” e se “fazer” história. 

 Psicoterapia Psicanalítica Saber Mais Através  de um Caso Clínico

de Raquel Félix

Este site usa cookies, para guardar informação de forma segura no seu computador.

Estes cookies destinam-se a optimizar a sua experiência de navegação neste site.

aceito cookies

Saiba mais acerca dos cookies