October 25

Depressão, A Perturbação Que Altera Corpo e Mente

EDIÇÃO Nº35 | ABRIL - MAIO | 2017

RESUMO

Este trabalho apresenta uma das perturbações mais comuns na sociedade e que afeta o indivíduo no seu todo. O presente artigo aborda a importância da intervenção psicológica nesta problemática através do seu diagnóstico e intervenção para que se possa obter sucesso, evitando o seu avanço, que muitas vezes leva ao suicídio.

O artigo tem como objetivo alertar as pessoas para os sinais e sintomas desta problemática para que os saibam identificar e para que sejam capazes de procurar ajuda, uma vez que uma intervenção precoce impedirá o avanço da sintomatologia.

Palavras-chave:

Depressão; Intervenção Psicológica; Sintomas Psicológicos e Físicos. 

 

 Depressão, A Perturbação Que Altera Corpo e Mente

de Vera Ramos

October 25

Online e Offline: Uma Reflexão Sobre As Tendências de Consumo

EDIÇÃO Nº34 | JANEIRO - FEVEREIRO | 2017

BREVE EXCERTO

”Frequentar apenas lojas (físicas) para fazer compras já não é uma realidade dos dias de hoje. O consumidor atual tem como hábito utilizar os meios digitais ao seu alcance, quer para obter informação, quer para comparar preços ou pesquisar promoções. As plataformas digitais estão cada vez mais desenvolvidas, são de simples acesso, e a crescente adesão à tecnologia potencia um novo comportamento no consumidor multicanal. Daí, prevê-se que o crescimento acentuado do comércio online se vai manter, estimando-se que até 2019 as vendas do retalho  cresçam para mais do dobro, sendo responsáveis por mais de 12% das vendas globais1. Portugal está também a acompanhar a tendência de crescimento do comércio online em bens de grande consumo. São já 64% os consumidores que consideram conveniente comprar online, embora 50% opte por não comprar devido aos custos de entrega inerentes ao serviço2.”

Online e Offline: Uma Reflexão Sobre As Tendências de Consumo

de Luís F. Martinez

October 25

A Procrastinação

EDIÇÃO Nº34 | JANEIRO - FEVEREIRO | 2017

BREVE EXCERTO

”Em vez de ser realizada, as tarefas ou objetivos são postos em segundo plano e substituídos por ações de menos importância, mesmo havendo a possibilidade de consequências negativas advindas da não realização das tarefas em causa. Por norma, estas tarefas possuem um carácter necessário para os indivíduos que as relegam, enfatizando as consequências que podem ocorrer.

Mas então, porque procrastinamos? Existem diversas razões para procrastinar, muitas das quais não são conscientes no nosso funcionamento e que passam por questões relativas às tarefas, podendo estas ser monótonas e repetitivas ou difíceis ou desconhecidas para o indivíduo, não sabendo como a realizar. Neste seguimento, uma fraca gestão do tempo também pode levar à procrastinação, podendo a pessoa não pensar e planear a tarefa de forma adequada, não avaliando corretamente os passos que tem de realizar ou o tempo que precisa para a sua execução. Por outro lado, as razões podem não estar nas tarefas mas sim no executante e, aqui, podemos encontrar pessoas com dificuldades de concentração, que não permite o início e adesão fácil à tarefa, ou alguém ansioso, obsessivo ou perfeccionista, que não se permita realizar a tarefa de forma fluída, colocando em causa cada passo que dá na execução da mesma, acabando por desistir.”

 A Procrastinação

de Tiago Fonseca

October 25

Do Acting-Out ao Enactment

EDIÇÃO Nº34 | JANEIRO - FEVEREIRO | 2017

BREVE EXCERTO

”Do acting-out (passagem ao acto) ao enactment (enacção ou encenação) vai um passo importante: da não reflexão  à reflexão, do  curto-circuito ao médio-longo circuito, do imediatismo ao mais ou menos ponderado. Um agir em arco reflexo (estímulo – resposta) ou impulsivo (estimulação interna) e um agir após tratamento implícito das informações. A diferença é esta: na enacção há uma elaboração – se bem que implícita ou inconsciente – dos informes; há, pois, intervenção, não só do córtex associativo como também e fundamentalmente do neo-cortex pré-frontal supra-orbitárion e da comunicação implícita com outro indivíduo – do que se convencionou chamar “cérebro social” e conhecimento relacional implícito.

Assim, enquanto no acting-out (passagem ao acto) está em efectivo uma causalidade ou etiologia ascendente (de baixo para cima) e centrípeta (da periferia para o centro), no enactment (encenação) a efectividade resulta de uma causalidade/etiologia descendente (de cima para baixo) e centrífuga (do centro – sujeito – para a periferia – objecto). O primeiro é da ordem primária; o segundo, já da ordem secundária. O acting-out diz respeito à unidade biológica – o indivíduo –; o enactement, à unidade psicológica – o par.”

 Do Acting-Out ao Enactment

de António Coimbra de Matos

Este site usa cookies, para guardar informação de forma segura no seu computador.

Estes cookies destinam-se a optimizar a sua experiência de navegação neste site.

aceito cookies

Saiba mais acerca dos cookies