October 23

O Perigo Perigoso da Felicidade no Trabalho

EDIÇÃO Nº 14 | AGOSTO - SETEMBRO | 2013

BREVE EXCERTO

”A felicidade é o grande mito dos nossos dias. A felicidade é um mito porque não precisa de justificação e porque justifica tudo. 

A felicidade não precisa de justificação e justifica tudo porque é um fim em si próprio. Aliás, a felicidade não é O fim. O objectivo da vida. A razão da existência de cada um de nós. Por exemplo:

— O que é que queres ser quando fores grande, Tóninho?

— Não sei, ou banqueiro ou assassino em série.

— Que bom filhinho, o que interessa é que sejas feliz.

Ou então:

— O marido da Teresa detesta os outros seres humanos. Já não vejo a Teresa há 7 anos apesar dela ser a minha única filha?

— Deixa lá, pelo menos ela é feliz com ele.

Ironias à parte, você já contou o número de vezes que ouviu as expressões “desde que sejas feliz assim” e “pelo menos eles são felizes assim” para justificar o injustificável? Eu só esta semana contei 47 vezes. 

Eu, quando era criança, li muitas histórias sobre pessoas que viviam vidas difíceis, que passavam por sofrimento e provações para ter uma vida com significado. Muitas dessas pessoas não conseguiram, mas algumas conseguiram. Só que só conseguiram depois de morrer e por isso nunca souberam que tinham conseguido. 

Nunca foram felizes.”

 O Perigo Perigoso da Felicidade no Trabalho

de João Vieira da Cunha

October 23

Prevenção da Dependência de Substâncias Psicoactivas Junto dos Jovens

EDIÇÃO Nº13 | JUNHO - JULHO | 2013

RESUMO

A curiosidade é um atributo do homem. E ainda bem, pois é o lhe que tem trazido muito do que tem realizado. E isto vale para a infância, juventude e ao longo de toda a vida adulta, mantendo-se uma atitude contínua e característica pessoal. A não ser que tenha sido precoce e persistentemente contrariada a ponto de pouco se manifestar. 

 

Prevenção da Dependência de Substâncias Psicoativas Junto dos Jovens

de Dora Bicho

October 23

A Comunicação Não-Verbal: A Face e o Corpo Falam Mais Alto

EDIÇÃO Nº13 | JUNHO - JULHO | 2013

RESUMO

A comunicação não-verbal tem vindo a ser denominada de Linguagem Corporal, na cultura popular, desde a publicação do livro “Body Language”, do autor Julius Fast, em 1970. 

Na verdade, a comunicação não-verbal tem um sentido mais amplo, que envolve não só a linguagem corporal, como todos os restantes comportamentos que ocorrem durante o processo de comunicação e que não incluem a utilização das palavras. As expressões faciais da emoção, o contato físico, a utilização da voz (tom, timbre, volume), a forma como nos vestimos, são alguns dos aspetos que integram o processo de comunicação não-verbal.

 A Comunicação Não-Verbal: A Face e o Corpo Falam Mais Alto

de António Sacavém

October 23

Coaching de Saúde em Contexto Organizacional

EDIÇÃO Nº13 | JUNHO - JULHO | 2013

BREVE EXCERTO

”O termo coaching tem vindo a disseminar-se nos últimos anos, sendo cada vez mais utilizado nas organizações, nos meios de comunicação social e mesmo pelas pessoas em geral... Mas, afinal, o que é o coaching? E para que serve o coaching?Talvez devido à necessidade de delimitar uma área própria e conquistar o seu espaço de intervenção, o coaching tem sido frequentemente definido pela negativa, diferenciando-se relativamente a conceitos e serviços como, por exemplo, o aconselhamento, a psicoterapia, o mentorado e o treino.

 Coaching de Saúde em Contexto Organizacional

de Paulo Vitória, Luísa Santos & Conceição Nobre Rodrigues 

Este site usa cookies, para guardar informação de forma segura no seu computador.

Estes cookies destinam-se a optimizar a sua experiência de navegação neste site.

aceito cookies

Saiba mais acerca dos cookies